25/07/2012

CONFLITOS

IORRAN SEBASTIÃO BASTOS


-E aí, pai, como foi o almoço com ela?
Foi a primeira coisa que perguntou quando ele entrou no carro para irem a um show de música que haveria naquele dia.  O cantor João Bosco, aquele mesmo que disse em uma de suas canções que “o amor quando acontece, a gente esquece tudo o que sofreu um dia”, ia ser homenageado em um  evento na cidade.

- Foi ótimo, filha e acho que você já vai ter uma madrasta e não demora muito.
- É mesmo?

A pergunta veio junto com aquele semblante preocupado-alegre, uma feição lutando para se sobrepor à outra para não deixar constrangimentos para o pai, quando viu a cara de só risos dele.

-Sabe, filha depois de alguns casamentos as coisas não são como a gente gostaria, aquela entrega imediata, típica da ousadia dos apaixonados. Ela mesma sabia um pouco das coisas do coração, afinal já não é mais uma menininha. Também tinha lá seus conflitos.

Mesmo assim ficou procurando uma explicação que conseguisse sintetizar aquele momento pelo qual passava. O coração não tem nenhuma compatibilidade com planejamentos, no entanto. Estava pensando meio ansioso, meio angustiado o que falaria para ela quando buzinasse à porta da casa. Sabia que ela ia perscrutar algo. Estava curiosa para compreender mais  aquela meia história que ele havia lhe contado no domingo anterior sobre a primeira namorada dele na pré-adolescência. Agora ele e ela se reencontraram depois de mais de trinta nos, sós novamente e com um horizonte cheio de possibilidades de viver o que não foi possível naquela ocasião. Num estalo, veio-lhe a explicação em forma de canção e foi assim que respondeu – cantando – logo que ela fez a pergunta:


“Ah, meu coração que não entende
O compasso do meu pensamento
O pensamento se protege
E o coração se entrega inteiro sem razão.
Se o pensamento foge dela
O coração a busca, aflito.
E o corpo todo sai tremendo
Massacrado e ferido do conflito.”
CONFLITO (Canção de Fagner)

6 comentários:

  1. Cacá, esse pequeno conto me fez lembrar de alguma situação que já ouvi de alguém que retomou a vida depois de tantos anos sozinha. É bem como diz a música de Fagner, 'o pensamento se protege, mas o coração quer se entregar inteiro, sem razão".
    E isso acontece com os dois lados, tanto homem quanto mulher, ficam assim depois que retomam a atividade amorosa, felizes por um lado e cautelosos por outro.
    E, coincidentemente, sábado vou ao show do João Bosco lá em Petrópolis. meu maridex curte muito o seu som.
    bjs cariocas

    ResponderExcluir
  2. Coisa boa é deixar rolar...hum....
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Cacá, mergulhar, de cabeça. Não temos nada a perder. Adoro reencontros de amor. Ultimamente tenho lido muito sobre isso, as pessoas se reencontrando depois de 30 anos, casamentos desfeitos, filhos adultos; ou um dos dois solteiro, sempre à espera de que um dia acontecesse.
    Eu iria fundo. Amar é muito bom.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Ligia Clarine Adão26 de julho de 2012 18:08

    Adorei, essas história de reencontros depois de trinta anos, a vida dá voltas né! legal, as possibilidades estão no ar.

    ResponderExcluir
  5. OI CLAUDIO!
    UMA HISTÓRIA PARA SER VIVIDA, ACREDITO EM DESTINO, ENCONTRAREM-SE 30 ANOS DEPOIS, É COISA "DELE".
    MUITO LEGAL TUA HISTÓRIA.
    ABRÇS


    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  6. Oi Caca

    Tenho um certo "pé atrás nos reencontros", pois as pessoas se transformam ao longo do tempo e ao se reencontrarem, ficam com os referenciais antigos.
    bjs,

    Obs me avise das suas atualizações, pois no meu blog não tenho essa visibilidade.

    ResponderExcluir

OBRIGADO PELA VISITA. PAZ E BEM